O IPEVRE abre uma sala de Yoga para complementação do processo terapêutico e com vistas ao combate do stress

O Instituto Psicopedagógico de Volta Redonda ltda,(IPEVRE), tem uma história de 34 anos. Foi criado em 1974, por iniciativa de vários profissionais da área medica, psicológica e pedagógica, com vista ao tratamento de crianças portadoras de necessidades especiais e crianças com transtornos emocionais.

 
Desde 2015, Dr Rubens de Melo vem regularmente praticando yoga e a partir dai, vivenciando seus benefícios.
Com apoio e leitura de professores de yoga e livros do professor Hermógenes, surgiu a oportunidade de estruturar um espaço para o yoga no Instituto.
O yoga tem sido ensinado há séculos como uma forma de acalmar a mente, reduzir o stress e trazer o autoconhecimento.
Com um trabalho pioneiro em nossa região junto a tecnologia de ponta da psiquiatria, o trabalho de yoga será um aliado no cuidado da mente e corpo.
Segundo David Shannahoff-Khalsa, instrutor de Kundalini Yoga, investigador na dinâmica do mente-corpo, que publicou amplamente em revistas científicas e apresenta regularmente cursos de dia inteiro na Associação Psiquiátrica Americana o yoga e a meditação são aliados para entender e tratar distúrbios psiquiátricos.
 
Distúrbios como a depressão, a ansiedade, o transtorno obsessivo compulsivo e a insônia, apresentam significativa melhora quando o indivíduo passa a praticar regular e adequadamente.
 
 
 
 
 
 
Texto somente para leitura
 
 
Em visita ao Brasil, no ano de 2000, a indiana Uma Krishnamurthy Goswami concedeu esta entrevista à revista Planeta, na qual fala da situação do Yoga no mundo e mostra como incorporou essa prática milenar à psiquiatria
[LEI
 
PLANETA ? Você incorporou o Yoga à psiquiatria. De que maneira fez isso?
Uma ? Minha família é muito espiritualizada. Eu fui criada na tradição do Yoga. Ao mesmo tempo, tive um treinamento específico em psiquiatria. Achei que seria interessante integrar a psicologia do Ocidente e a do Oriente. Na psicologia ocidental, há o conceito da mente consciente e da mente inconsciente. Na psicologia do Yoga, temos, além desses dois conceitos, a supraconsciência. O Ocidente estudou a mente desperta e o estado do sonho. Já o Oriente valorizou basicamente quatro aspectos: a mente desperta, o estado sonho, o do sono profundo e o estado transcendental. As terapias modernas, por exemplo, tentam ajudar as pessoas no campo do inconsciente. Como se sabe, a mente inconsciente é um reservatório de memórias. E, às vezes, ir fundo nas memórias não ajuda a resolver os problemas. Pelo contrário: as memórias, ao invés de serem liberadas, se tornam mais fortes. No Yoga, a estratégia é ajudar o corpo a experimentar a supraconsciência, que, por definição, é um estado além do tempo e do espaço. Nesse estado não há problemas, apenas soluções. Quanto mais a pessoa experimenta o estado supraconsciente, mais tem o poder de dissolver, de liberar as memórias que estão presas na mente inconsciente. Algumas das práticas de Yoga, como ásanas e pránáyámas, também trabalham na mente inconsciente. Elas ajudam a mente a ficar mais leve, a liberá-la do peso das memórias mais traumáticas, dando a chance de a felicidade fluir.
PLANETA ? É possível, por exemplo, tratar distúrbios emocionais profundos com a ajuda do Yoga? Você faz isso em um consultório?
Uma ? Sim. Eu costumava trabalhar em um hospital psiquiátrico em Bangalore, no sul da Índia. Trabalhei lá até recentemente. Ali se usa o Yoga com os pacientes. Posso garantir que é eficaz com a maior parte dos distúrbios emocionais, como a depressão e a ansiedade. Também é empregado para melhorar a concentração e a memória. Agora que estou viajando muito, tenho clinicado pouco. Hoje, dou programas de treinamento para professores e terapeutas interessados em introduzir a prática do Yoga no tratamento de seus pacientes.
PLANETA ? O paciente é, então, tratado com terapia convencional e adota-se, paralelamente, um programa de Yoga?
Uma ? No meu tratamento eu costumo assumir os dois papéis, porque tenho conhecimento e background para lidar com ambos. Às vezes, trabalho integradamente com terapeutas do Vivekanandakendra, um conceituado centro de Yoga na Índia. Esse ponto é importante: é possível integrar as duas terapias. Os médicos do Vivekanandakendra estão preparados para isso. Mas o ideal é que os profissionais envolvidos, que trabalham com saúde mental, se exponham a abordagens alternativas, como o Yoga.
PLANETA ? Qual é a situação da psiquiatria na Índia? Olhando-se de fora, a sensação que se tem é que ali não existe espaço para ela...
Uma ? A psiquiatria é um campo novo na Índia. Até porque no passado não havia grandes problemas psicológicos no país, já que as famílias davam ao indivíduo um bom suporte emocional. Também havia poucos conflitos psicológicos. Agora o estresse na Índia também está aumentando, então, precisamos de psiquiatras. Os estudantes são as principais vítimas. Eles estão sendo influenciados pelo Ocidente porque assistem a muita televisão. Por outro lado, existe a pressão da tradição indiana. Eles realmente precisam de ajuda.
PLANETA ? Nós poderíamos dizer que isso é conseqüência de uma ocidentalização da Índia?
Uma ? Acho que no passado a Índia também tinha problemas emocionais, mas eles eram levados aos membros da família, aos sábios, aos líderes religiosos e aos curadores locais. No final, as pessoas conseguiam alguma ajuda emocional.
PLANETA ? Muitos médicos admitem que a meditação exerce influência bastante positiva sobre a saúde do ser humano. Qual é o mecanismo dessa ação?
Uma ? De acordo com a tradição yogi, a consciência é a base do ser, a referência. Hoje a física quântica prova esse ponto de vista, essa convicção. No estado de consciência não há dualidade, não há distinção entre o sujeito e o objeto; é um estado puro de possibilidades e potenciais. Não é um estado passivo, mas sim dinâmico e criativo. A partir dele, a manifestação acontece, a mente é criada. E da mente criada nasce o ego. E do ego surge o que gosto, o que não gosto, e isso passa a se mesclar nas relações humanas. Na meditação, é como voltar à fonte da criação. Primeiro o corpo é silenciado, relaxado. Eu aquieto a mente. Às vezes posso usar exercícios de respiração para isso. Quando ela se acalma, é possível perceber o silêncio do consciente. Este é um estado muito curativo. É por isso que a maioria dos médicos recomenda a meditação, porque a maior parte do sofrimento é psicossomático, criado pela mente. Quando ela se torna calma e silenciosa, tem a chance de curar-se sozinha.
 
 
Foram observadas também melhoras em pacientes que sofrem com distúrbio bipolar e em alguns casos de psicose. Recentemente, foram propostas práticas para pacientes com esquizofrenia e foram obtidos resultados animadores, que estão publicados no novo livro de David Shannahoff-Khalsa.

Área Restrita